Início » Vida de estudante » Corrida Espacial

Corrida Espacial

Compartilhe!

Em meados da década de 1950, a rivalidade entre as superpotências da Guerra Frias: os Estados Unidos e a União Soviética foi levada ao espaço, dando origem a um período conhecido como Corrida Espacial, que durou até o início dos anos 1970.

Principais marcos da corrida espacial

Marcado pela amarga competição entre os EUA e a URSS, o período da Corrida Espacial também foi marcado pelo aumento dos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, o que levou a grandes avanços em nossa compreensão do espaço exterior.

Lançamento do Sputnik 1

Em 4 de outubro de 1957, a União Soviética lançou com sucesso o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial do mundo. Um grande marco em termos de tecnologia de naves espaciais.

O evento chocou os Estados Unidos que estavam trabalhando no lançamento de seu próprio satélite artificial. Mas também encorajou os Estados Unidos a criar a NASA e adotar uma abordagem mais séria ao programa espacial, a fim de alcançar a União Soviética.

O evento, assim, efetivamente provocou o que veio a ser conhecido como a Corrida Espacial. O Sputnik 1 também forneceu aos cientistas da Terra informações importantes sobre a densidade atmosférica e a ionosfera da Terra.

Ele orbitou a Terra por três meses antes de queimar enquanto caía da órbita na atmosfera da Terra em 4 de janeiro de 1958.

Lançamento do Sputnik 2

Menos de um mês após o lançamento bem-sucedido do Sputnik 1, o programa espacial soviético conseguiu outra grande “vitória” na Corrida Espacial. Em 3 de novembro de 1957, a URSS lançou com sucesso a segunda espaçonave na órbita da Terra : Sputnik 2.

Desta vez, no entanto, a espaçonave estava carregando um animal vivo, uma cadelinha chamada Laika, que se tornou o primeiro ser vivo a orbitar a Terra e a fornecer dados biológicos críticos para os voos espaciais tripulados posteriores.

A Laika, uma cadela vira-lata que foi selecionada para a missão, morreu algumas horas após o lançamento do Sputnik 2, enquanto a nave espacial continuou a orbitar a Terra por 162 dias.

Lançamento do Explorer 1

Após o lançamento do Sputnik 1 e 2, os Estados Unidos intensificaram seus esforços para lançar seu próprio satélite artificial e em 31 de janeiro de 1958, a Agência de Mísseis Balísticos do Exército (ABMA) lançou com sucesso o Explorer 1.

Além de estabelecer um equilíbrio na corrida espacial, o primeiro satélite dos EUA também forneceu informações valiosas que, entre outras coisas, também provaram ser de fundamental importância para a descoberta do chamado cinturão de radiação de Van Allen.

O Explorer 1 coletou dados por quase quatro meses antes de esgotar suas baterias, mas continuou a orbitar a Terra até 1970. Além de ser o primeiro satélite artificial dos EUA, o Explorer 1 também foi o primeiro da série de mais de noventa exploradores, sendo o último deles – IRIS – foi lançado em 27 de junho de 2013

Lançamento do Vostok 1

O Vostok 1 foi o maior triunfo soviético na corrida espacial. Em 12 de abril de 1961, a espaçonave Vostok decolou do Cosmódromo de Baikonur; estava carregando Yuri Gagarin (1934-1961) que se tornou o primeiro humano na história a viajar pelo espaço.

Gagarin orbitou a Terra por quase duas horas. Embora os soviéticos inicialmente afirmassem que ele havia pousado com o Vostok, o famoso cosmonauta saltou de pára-quedas de sua cápsula ao chegar a uma altitude segura. Após o sucesso da Vostok 1, a URSS voltou a liderar a Corrida Espacial. Mas o triunfo também não durou muito.

Lançamento do Mercury-Redstone 3

Os soviéticos derrotaram os Estados Unidos com o primeiro voo espacial humano de sucesso, mas apenas algumas semanas após a Vostok 1, a NASA lançou “seu próprio programa Vostok”  o Projeto Mercury.

Em 5 de maio de 1961, o Mercury-Redstone 3 (também conhecido como Freedom 7) decolou de Cabo Canaveral, na Flórida, com o astronauta Alan Shepard (1923-1998) a bordo.

Ao contrário de Gagarin, Shepard não entrou na órbita da Terra. Em vez disso, ele realizou um vôo suborbital de 15 minutos de duração. Apesar disso, ele se tornou o primeiro americano e a segunda pessoa no mundo a fazer um vôo espacial humano de sucesso.

Além de pavimentar o caminho para os futuros vôos espaciais tripulados dos EUA, a missão Freedom 7 também aliviou de alguma forma o golpe no programa espacial americano que foi infligido pelo sucesso da Vostok 1.

Apollo 11 e o pouso na lua “Moon Landing”

Logo após o lançamento do Projeto Mercury, a NASA estabeleceu planos para o primeiro pouso na Lua (tripulado). Os soviéticos também tinham planos para uma missão tripulada à Lua, mas em 1969 seu rival da Guerra Fria tinha uma nave espacial e uma equipe que reivindicaria a vitória final na Corrida Espacial: Neil Armstrong, Michael Collins e Buzz Aldrin..

A espaçonave Apollo 11 decolou do Centro Espacial Kennedy em 16 de julho de 1969. Quatro dias depois, o Módulo Lunar se separou do Módulo de Comando e levou Armstrong e Aldrin à Lua para fazer a primeira caminhada na história na lua.

Foram coletados algum materiais do solo lunar e também realizadas as famosas fotos da bandeira dos EUA na superfície da lua.

Percebendo que a corrida para a Lua foi perdida, a União Soviética cancelou seu programa lunar e, em vez disso, concentrou-se na construção de uma estação espacial.

Em 19 de abril de 1971, os soviéticos lançaram com sucesso a primeira estação espacial do mundo chamada Salyut 1, que formaria a base para a estação espacial Mir posterior.

Como a corrida espacial ocorreu na mesma época da guerra fria e acompanhou a corrida armamentista, foi considerado necessário pela ONU a regulamentação da exploração espacial.

O Tratado do Espaço Exterior representa o arcabouço legal básico da lei do espaço internacional. O tratado proíbe os países signatários de colocar armas de destruição em massa na órbita da Terra, instalando-os em a Lua ou qualquer outro corpo celeste, ou de outra forma, estacionando-os no espaço exterior.

Ele limitava durante a corrida espacial e até hoje, o uso da Lua e outros corpos celestes exclusivamente a propósitos pacíficos e proíbe expressamente o seu uso para testar armas de qualquer tipo, conduzir manobras militares ou estabelecer bases militares, instalações e fortificações.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário