Início » Geografia » Exclusão social

Exclusão social

Compartilhe!

A exclusão social é um problema presente na realidade atual e em diferentes países, mesmo naqueles considerados desenvolvidos. Para entender melhor  a situação, é preciso saber os mecanismos pelo qual a exclusão atua e os impactos causados.

O que é a exclusão social?

A exclusão social, ou marginalização social, é a desvantagem social e o rebaixamento à margem da sociedade. É um termo usado amplamente na Europa e no mundo, tendo sido originado na França.  É usado em várias disciplinas, incluindo educação, sociologia, psicologia, política e economia.

A exclusão social é o processo pelo qual indivíduos ou grupos de pessoas, são sistematicamente bloqueados (ou lhes é negado acesso total) a vários direitos, oportunidades e recursos que normalmente estão disponíveis a membros de um grupo diferente e que são fundamentais para a integração social e observância dos direitos humanos.

Condições ligadas a exclusão social

A alienação ou a privação de direitos resultantes da exclusão social podem estar ligadas à classe social de uma pessoa, raça, cor da pele, afiliação religiosa, nacionalidade, status educacional, padrões de vida ou aparência.

Essas formas excludentes de discriminação também podem ser aplicadas a pessoas com deficiência, minorias, pessoas LGBTQ +, usuários de drogas, etc. Qualquer um que pareça desviar-se de qualquer forma das normas percebidas de uma população pode, desse modo, tornar-se sujeito a formas grosseiras ou sutis de exclusão social.

Quais as consequências da exclusão social?

O resultado da exclusão social é que indivíduos ou comunidades afetados são impedidos de participar plenamente da vida econômica, social e política da sociedade em que vivem.

A exclusão social emerge teoricamente no nível individual ou grupal em quatro dimensões correlacionadas: acesso insuficiente a direitos sociais, privação material, participação social limitada e falta de integração normativa.

A exclusão social no nível individual resulta na exclusão de um indivíduo da participação significativa na sociedade. Um exemplo é a exclusão de mães solteiras. Em alguns contextos de carreira, o trabalho de cuidado é desvalorizado e a maternidade é vista como uma barreira ao emprego.

Mães foram anteriormente marginalizadas, apesar de seu papel significativo na socialização de crianças devido a visões de que um indivíduo só pode contribuir significativamente para a sociedade através de emprego “lucrativo”, bem como um viés cultural contra mães solteiras.

Outro exemplo de marginalização individual é a exclusão de pessoas com deficiência da força de trabalho e ponto de vista sobre a contratação de pessoas vivendo com deficiência como comprometimento a produtividade e criação de mais acidentes no local de trabalho.

A marginalização de pessoas com deficiência ainda  é prevalente hoje, apesar da legislação destinada a preveni-la na maioria dos países ocidentais e das conquistas acadêmicas, habilidades e treinamento de muitas pessoas com deficiência.

Impactos da Exclusão Social na população

A exclusão social resulta nas seguintes consequências principais:

  • Vários tipos de privações – econômicas, educacionais, culturais e sociais.
  • Conduz ao empobrecimento da vida humana e desenvolve uma sensação mais pobre de bem-estar.
  • Leva a desigualdade, pobreza, desemprego e migração involuntária.
  • Leva a estigmatização social e marginalização.
  • Desenvolve complexo de medo entre os excluídos.
  • Coloca várias restrições aos excluídos sobre sua participação livre e plena nas atividades econômicas, culturais e políticas.
  • Em geral, isso causa um impacto negativo intenso na qualidade de vida.

Como combater a exclusão social?

Muitas comunidades experimentam exclusão social, tais como comunidades raciais (por exemplo, negras) (por exemplo, Intocáveis ​​ou Baixas Castas ou Dalits no Sistema de Castas da Índia).

Um exemplo é a comunidade aborígene na Austrália. Marginalização de comunidades aborígenes é um produto da colonização. Como resultado do colonialismo, as comunidades aborígines perderam suas terras, foram forçadas a áreas destituídas, perderam suas fontes de sustento e foram excluídas do mercado de trabalho.

Além disso, as comunidades aborígines perderam sua cultura e valores por meio da assimilação forçada e perderam seus direitos na sociedade.

O problema da exclusão social está geralmente ligado ao da igualdade de oportunidades, pois algumas pessoas estão mais sujeitas a essa exclusão do que outras.

A Marginalização de certos grupos é um problema mesmo em muitos países economicamente mais desenvolvidos, incluindo o Reino Unido e os Estados Unidos, onde a maioria da população goza de oportunidades econômicas e sociais consideráveis.

As causas de exclusão também vão além da pobreza material e abrangem uma ampla gama de razões pelas quais indivíduos ou grupos podem ser excluídos, como a discriminação contra imigrantes, minorias étnicas, deficientes, idosos ou ex-condenados. Em suma, alguém pode ser excluído socialmente de várias maneiras, por uma infinidade de razões.

ipologias de diferentes estratégias usadas para combater a exclusão social, seguidas por uma série de abordagens estratégicas úteis e desafios para o futuro.

As estratégias para combate ao problema dependem das atitudes que a sociedade adota para a exclusão. Muitas vezes há um desejo de negar sua existência, atribuí-la ao comportamento individual ou explicá-la em termos puramente econômicos.

As estratégias também podem ser classificadas por seus objetivos: elas podem ser rotuladas como reprodutivas, paliativas e curativas, preventivas e emancipatórias.

Eles também podem ser classificados pelas abordagens metodológicas que empregam. Deve haver coerência entre os objetivos e os recursos disponíveis. Os recursos financeiros são importantes, mas não conclusivos, e as estratégias baseadas em uma pluralidade de atores têm mais vantagens.

As ações afirmativas são uma maneira encontrada para tentar diminuir a exclusão social, seja por causas  raciais, (como as cotas em universidades e concursos públicos), religiosas de orientação sexual ou de gênero, tec

Outra maneira aplicada para o combate a exclusão social é a utilização de políticas públicas. As políticas públicas são basicamente projetos, medidas e leis que são debatidas pela sociedade para que sejam decididas quais as prioridades de investimento do governo.

A criação de leis para proteger direitos de determinados segmentos sociais que são considerados minorias, são uma maneira de combater a exclusão através de políticas públicas. Um exemplo são as leis que garantem medidas de acessibilidade aos portadores de deficiências.

Combater a exclusão deve ser meta de todo o governo e cobrado por toda a população, apenas assim é possível uma sociedade mais justa e igualitária.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário