Início » Enem » Guerra Fria

Guerra Fria

Compartilhe!

A Guerra Fria foi a rivalidade aberta mas restrita que se desenvolveu após a Segunda Guerra Mundial entre os Estados Unidos e a União Soviética e seus respectivos aliados. A Guerra Fria foi travada em frentes políticas e econômicas.

O termo foi usado pela primeira vez pelo escritor inglês George Orwell em um artigo publicado em 1945 para se referir ao que ele previa que seria um impasse nuclear entre “dois ou três super-estados monstruosos, cada um possuindo uma arma pela qual milhões de pessoas podem ser eliminadas em poucos segundos ”.

Como se iniciou a Guerra fria?

Após a rendição da Alemanha nazista em maio de 1945, perto do fim da Segunda Guerra Mundial, a desconfortável aliança de guerra entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, de um lado, e a União Soviética, de outro, começou a se desintegrar.

Os americanos e os britânicos temiam a permanente dominação soviética da Europa Oriental e a ameaça dos partidos comunistas de influência soviética que chegavam ao poder nas democracias da Europa ocidental.

Os soviéticos, por outro lado, estavam determinados a manter o controle da Europa Oriental, a fim de salvaguardar contra qualquer possível ameaça renovada da Alemanha, e estavam empenhados em espalhar o comunismo em todo o mundo, em grande parte por razões ideológicas.

A Guerra Fria se solidificou em 1947-48, quando a ajuda norte-americana fornecida pelo Plano Marshall à Europa ocidental colocou esses países sob influência norte-americana e os soviéticos instalaram abertamente regimes comunistas na Europa Oriental.

A luta entre superpotências

A Guerra Fria atingiu o seu auge em 1948-53. Nesse período, os soviéticos tentaram bloquear, sem sucesso, o avanço da Berlim Ocidental (1948-1949) e os Estados Unidos e seus aliados europeus formaram a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), um comando militar unificado para resistir à presença soviética na Europa (1949).

Os soviéticos explodiram sua primeira ogiva atômica (1949), acabando com o monopólio americano da bomba atômica; os comunistas chineses chegaram ao poder na China continental (1949); e o governo comunista da Coréia do Norte, apoiado pelos soviéticos, invadiu a Coréia do Sul, apoiada pelos EUA em 1950, desencadeando uma indecisa Guerra da Coreia que durou até 1953.

De 1953 a 1957, as tensões da Guerra Fria relaxaram um pouco, em grande parte devido à morte do antigo ditador soviético Joseph Stalin, em 1953; no entanto, o impasse permaneceu.

Uma organização militar unificada entre os países do bloco soviético, o Pacto de Varsóvia, foi formada em 1955; e a Alemanha Ocidental foi admitida na OTAN nesse mesmo ano.

Outro estágio intenso da Guerra Fria foi em 1958-1962. Os Estados Unidos e a União Soviética começaram a desenvolver mísseis balísticos intercontinentais e, em 1962, os soviéticos começaram a instalar secretamente mísseis em Cuba que poderiam ser usados ​​para lançar ataques nucleares nas cidades dos EUA.

Isso desencadeou a crise dos mísseis cubanos (1962), um confronto que levou as duas superpotências à beira da guerra antes de se chegar a um acordo para retirar os mísseis.

A crise dos mísseis cubanos mostrou que nem os Estados Unidos nem a União Soviética estavam prontos para usar armas nucleares por medo da retaliação do outro (e, portanto, da aniquilação atômica mútua).

As duas superpotências logo assinaram o Tratado de Proibição de Testes Nucleares de 1963, que proibia testes nucleares acima do solo. Mas a crise também endureceu a determinação dos soviéticos de nunca mais ser humilhada por sua inferioridade militar, e eles começaram a construir forças convencionais e estratégicas que os Estados Unidos foram forçados a enfrentar pelos próximos 25 anos.

Durante a Guerra Fria, os Estados Unidos e a União Soviética evitaram o confronto militar direto na Europa e se engajaram em operações reais de combate, apenas para impedir que os aliados desertassem para o outro lado ou os derrubassem depois de terem feito isso.

Assim, a União Soviética enviou tropas para preservar o domínio comunista na Alemanha Oriental (1953), Hungria (1956), Tchecoslováquia (1968) e Afeganistão (1979).

Por seu turno, os Estados Unidos ajudaram a derrubar um governo de esquerda na Guatemala (1954), apoiaram uma invasão malsucedida de Cuba (1961), invadiram a República Dominicana (1965) e Grenada (1983), e empreenderam um longo (1964- 75) esforço malsucedido para impedir que o Vietnã do Norte, comunista, deixasse o Vietnã do Sul sob seu domínio.

O fim da guerra fria

Assim que assumiu a residência, Richard Nixon (1913-1994) começou a instaurar uma nova percepção para as relações internacionais, tentando desfazer a hostilidade que estava presente e implementar a  diplomacia.

Assim, ele apoiou as Nações Unidas a reconhecer o governo comunista Chinês e começou a manter relações diplomáticas com Pequim.

Em 1972, ele e o premier soviético Leonid Brezhnev (1906-1982) assinaram o Tratado de Limitação de Armas Estratégicas (SALT I), que proibia a fabricação de mísseis nucleares por ambos os lados e dava um passo na redução da ameaça de décadas de guerra nuclear

Mesmo com as ações de Nixon, a Guerra Fria reacendeu sob o governo do presidente Ronald Reagan (1911-2004). Ele acreditava que a presença do comunismo e sua dissipação pelo mundo, poderiam ameaçar a liberdade e todos os lugares.

Assim, Reagan fornecia apoio financeiro e militar a governos e resistências anticomunistas por diversos países, no que ficou conhecida como a Doutrina Reagan.

Enquanto Reagan tentava combater o comunismo na América central, a União Soviética já estava se desintegrando, principalmente em decorrência de graves problemas econômicos e políticos.

O Premier Mikhail Gorbachev, ao subir ao poder em 1985,  introduziu duas políticas que redefiniram o relacionamento da Rússia com o resto do mundo: “glasnost”, ou abertura política, e “ perestroika ”, ou reforma econômica.

Influência soviética na Europa Oriental diminuiu e em 1989, todos os outros estados comunistas da região substituíram seu governo por um não comunista. Em novembro daquele ano, o Muro de Berlim, o símbolo mais visível das décadas de Guerra Fria, foi finalmente destruído, levando ao fim da Guerra.

A Guerra Fria deixou um legado de tecnologia para ambos os lados, não apenas em armamentos mas na ciência em geral.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário