Início » Artes » Impressionismo: entenda o movimento cultural

Impressionismo: entenda o movimento cultural

Compartilhe!

O Impressionismo foi um movimento artístico, que teve origem na França durante o século XIX, e que revolucionou profundamente a pintura. Os impressionistas rejeitavam as normas da arte acadêmica da época.

As pinturas do movimento captavam as impressões perceptivas de luz, cor e sombra das paisagens. Os artistas seguiam procedimentos gerais, muito mais práticas do que teóricas, para obter os resultados esperados.

Qual a marca do impressionismo?

A grande transformação imposta pelos impressionistas é a justaposição, na tela, em pinceladas vibrantes, das cores puras, com o intuito de provocar a fusão dos tons nos olhos do espectador. Neste sentido, observa-se a síntese de luz e de cor que torna os contornos flutuantes e esfumados, pulverizando a forma.

Os impressionistas não constituíam uma escola, já que não seguiam regras rígidas, nem métodos inflexíveis. A relevância de seu trabalho deixa de estar no tema da tela, e sim no modo como o artista capta o momento do tema.

Principais características

Contrariamente aos artistas do movimento realista, que os antecedem, os impressionistas passam a retratar os momentos de lazer dos cidadãos franceses, em pinturas que retratam seus passeios de domingo ao longo do Sena.

Para a produção destes temas, os impressionistas passam a aplicar diretamente na tela as cores saídas dos seus tubos, deixando de misturar previamente na paleta e eliminam as linhas de contorno. Assim sendo, as características principais que definem a pintura do movimento impressionista são:

  • Não há contornos nítidos nas figuras;
  • A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz num determinado momento;
  • As sombras também possuem luz e cor;
  • As cores e tonalidades devem ser puras e dissociadas nos quadros em pequenas pinceladas e não obtidas pela mistura das tintas na paleta;

Principais artistas

No movimento impressionista os artistas estudavam muito sobre os efeitos ópticos, para isso usavam com frequência recursos fotográficos, sendo que, para isso preferiam trabalhar ao ar livre. Não se prendiam ao uso da perspectiva e ao uso de modelos. Os principais nomes do movimento foram:

  • Claude Monet(1840-1926);
  • Pierre-Auguste Renoir(1841-1919);
  • Edgar Degas(1834-1917);
  • Jacob Abraham Camille Pissarro(1830-1903);
  • Alfred Sisley(1839-1899);
  • Berthe Morisot(1841-1895);
  • Édouard Manet(1832-1883);

Origem do impressionismo

O termo impressionismo surgiu a partir do quadro “Impressão, nascer do sol”, a um dos primeiros trabalhos de Monet, que foi criticado pelo pintor e escritor Louis Leroy, que comparou a obra de Monet a um papel de parede.

Já o movimento impressionista nasceu no dia 15 de Abril de 1874, através de uma exposição organizada pelo atelier de Nadar, em Paris. Do grupo que participou nesta exposição destacam-se Monet, Renoir, Cezanne Degas e Manet. Contudo, o público e a crítica reagiram mal no inicio do novo movimento, o que não afetou seu desenvolvimento.

Manet e os demais artistas pioneiros do movimento, incorporaram o nome através da critica feita pelo escritor Louis Leroy, pois sabiam que o movimento seria revolucionário para a história da pintura.

No Brasil

Durante o período em que surge o impressionista na Europa, a arte brasileira estava seduzida pelo realismo. Apesar da resistência conservadora da Academia Imperial de Belas Artes do Rio de Janeiro, que continuava cultivando o classicismo, um grupo de alunos da Academia, juntamente com o mestre alemão, Georg Grimm, já começavam a transformar suas técnicas em direção ao impressionismo.

Eles pintavam ao ar livre, de uma maneira espontânea e sem assunto previamente escolhido. Foi neste contexto que surgiram as primeiras obras impressionistas no Brasil, com destaque para Eliseu Visconti (1866-1944).  Entre os principais nomes do movimento no Brasil também estão:

  • Castagneto (1851-1900);
  • Artur Timoteo da Costa (1882-1922);
  • Almeida Júnior (1850-99);
  • Antonio Parreiras (1860-1937);
  • Garcia Bento (1879-1919);
  • Lucílio de Albuquerque (1877-1939);
  • Georgina de Albuquerque (1885-1962);
  • Navarro da Costa (1883-1931).

Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário