Início » Física » Inércia e a contribuição das leis de Newton

Inércia e a contribuição das leis de Newton

Compartilhe!

Também conhecida como a primeira lei de Newton, o princípio da inércia é a capacidade de um corpo de resistir a mudança de estado de movimento.

Segundo a lei da inércia, todo corpo tem uma tendência acentuada de permanecer em seu estado: quando o corpo está em movimento, tende a manter a mesma velocidade e trajetória, da mesma forma que quando um corpo estiver em um estado de repouso, a tendência é que este corpo permaneça em repouso até que outra força externa faça com que isso mude.

Albert Einstein criou uma de suas teorias (a chamada teoria da Relatividade) que utilizava o princípio da inércia. Sua ideia era criar uma referência sobre como funciona o movimento de um corpo no vácuo, onde as interferências externas em corpos são mais raras.

A física não é o único campo de estudo científico que utiliza o conceito da inércia em seus estudos. Em química, a inércia é amplamente utilizada em estudos que visam entender como alguns materiais apresentam resistência ao reagir com outros que são considerados inertes (não exibem reações químicas).

A inércia e as leis de Newton

As leis de Newton são um conjunto de leis que explicam o funcionamento da mecânica, sendo a inércia apenas a primeira desse conjunto criado por Isaac Newton.

Segundo Newton, a lei da inércia serve para estabelecer um valor para a resistência que a matéria demonstra ao ser acelerada. Dito isto podemos dizer que a inércia é a propriedade que todo corpo tem de se manter em repouso ou em movimento retilíneo uniforme.

Newton foi ainda mais longe quando afirmou que quanto maior for a massa, maior é a resistência. Isso quer dizer que quanto maior o peso de um objeto, mais chances ele tem de permanecer em seu estado: seja ele parado ou em movimento.

Ao contrário de outras leis da física, a inércia não tem uma fórmula. Newton considerou que não havia necessidade de formular a lei matematicamente e por isso criou apenas um pequeno enunciado que determina as capacidades do material de resistir mesmo nestas circunstâncias.

Exemplos de Inércia

Os exemplos da inércia são bastante fáceis de observar no dia a dia. Quando um ônibus em alta velocidade freia bruscamente e os passageiros são jogados para frente, isso é causado pela inércia. Embora o ônibus seja aquele que está forçando todos os corpos em seu interior para frente, os passageiros também estão se movendo.

Quando o ônibus para, a tendência dos corpos em seu interior é de continuar se movendo para frente, até que o próprio passageiro possa exercer uma força que o faça parar. Da mesma forma, o ônibus parado vai permanecer firmemente parado até o momento em que uma força o faça se mover, nesse caso a força que induz o movimento é gerada no motor.

Na Terra, todo corpo em movimento vai ser constantemente confrontado por uma força contrária gerada pela resistência do ar à sua frente. A isso chamamos de atrito. Porém, no vácuo do espaço onde não existe ar para causar o atrito, os objetos podem continuar seguindo em frente infinitamente, contanto que sua rota não o coloque no raio de ação de uma força gravitacional. Os foguetes, por exemplo, tiram proveito disso para continuar o movimento em sua rota sem precisar gastar combustível com seus propulsores, exceto quando a rota precisa ser alterada.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário