Início » Física » Magnetismo: como se comporta?

Magnetismo: como se comporta?

Compartilhe!

Magnetismo é a propriedade de atração repulsão presente nos metais e ímãs, os quais apresentam um polo positivo e um negativo, sendo caracterizados assim por uma força dipolo. Essa força dipolo é mencionada é muito importante para os estudos, pois ela que identifica que a colocação de dois polos iguais próximos se repele e polos distintos se atraem.

História do Magnetismo e do Eletromagnetismo

O magnetismo não é algo recente na história da ciência, pois desde meados do século VII a. C. já havia o uso frequente dos conceitos sobre magnetismo, como os textos gregos apontam o magnetismo, as propriedade de corpos.

Tales de Mileto, observou a atração do ímã natural, a magnetita, com o ferro. A invenção da bússola, por exemplo, permitiu o avanço das navegações, já era utilizada pelos chineses desde século VII.

A cada século que se passava os estudos sobre este ramo da física aumentava cada vez mais, ocorrendo próximo do século XIII, com Pierre Pelerin de Maricourt, o qual descreve sobre a bússola e as propriedades dos ímãs. No século XVI, Willian Gilbert (1544-1603) concluiu que a terra era um imã gigante, pois era magnética e por esse motivo que as bússolas apontavam para o sul magnético, ou o norte geográfico.

Ímã

O ímã, é um corpo magnético (ferros magnetizados, rochas magnéticas) dipolo, ou seja, possui dois polos o norte, onde saem às linhas do campo e o sul, local de entrada das linhas de campo. Um dos polos é positivo e o outro é negativo. Eles possuem a propriedade de atrair outros corpos ferromagnéticos.

Existem imãs que são naturais, como a magnetita, no entanto existe o processo denominado de imantação que induz algum objeto a formar polos e se tornar um imã, por exemplo, algumas ligas metálicas se imantam com maior facilidade.

Magnetismo Terrestre

O planeta Terra é considerado um grande ímã, pois possui a propriedade de dipolo magnético como os imãs naturais e artificiais, tendo um norte magnético, situado no sul do globo e o sul magnético que se situa no norte geográfico. Essa descoberta feita pelo físico inglês William Gilbert. É evidente que o polo norte é o campo magnético que sempre atrai a bússola, o que explica que a Terra comporta-se como um grande ímã que exerce força de atração.

Motor elétrico

Uma das grande aplicações práticas do eletromagnetismo na atualidade são os motores elétrico, com um torque resultante sobre uma espira. Trata-se de um motor com corrente contínua e internamente montado sobre o eixo em suportes específicos, encontram-se as bobinas que possuem a responsabilidade de forma o dipolo magnético. Juntos, o eixo e estas bobinas integram o motor.

É utilizado um grande numero de espiras para auxiliar no desempenho do motor, sendo quanto maior o número de bobinas, maior o torque. As peças metálicas são ferromagnéticas e com isso é estabelecido uma configuração desejada do campo magnético, sendo este aproximadamente horizontal na região onde encontram-se as bobinas do rotor.

Encontram-se também visíveis tanto o comutador bem como os bornes para a ligação de uma fonte de corrente elétrica externa responsável pela alimentação do mesmo. O comutador é necessário para conseguir fazer a manutenção do torque sempre na mesma direção e sentido.

Ele faz a alternação das bobinas para que assim o motor elétrico mantenha a rotação desejada pelo operador. É muito interessante toda a evolução de uma determinada tecnologia, pois desde o inicio era um simples dipolo encontrado em pedras presentes na natureza, no entanto o homem evoluiu, e muito, chegando ao ponto de usufruir desta sabedoria para fazer motores que poluem menos o meio ambiente.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário