Início » Biologia » Parasitismo

Parasitismo

Compartilhe!

Ao se falar em parasitismo, normalmente se fala de uma relação ecológica desarmônica onde um indivíduo de uma espécie que é diferente, sempre acaba levando vantagens sobre o outro, o que ocasiona em prejuízos para um deles.

Com isso, para que ocorra um melhor entendimento do conceito, é necessário saber o que é parasita, o qual é organismos que parasitam outros seres vivos se alimentando deles, mas não levando-os à morte. Assim, o parasita se fixa sobre a superfície ou no interior de algum hospedeiro.

E quanto ao parasitismo, ele é um desses fenômenos, pois se trata de uma relação de dependência onde apenas um dos lados recebe benefícios, como as plantas que podem causar a morte de outras ao parasitarem.

Conheça mais o que é Parasitismo

Pode-se definir como parasitismo como um fenômeno onde uma planta ou animal é capaz de sobreviver ao retirar de outro ser vivo alguns nutrientes, em que assim se estabelece uma relação forte de dependência, mas, somente um dos lados ganha com tal relação.

Na maior parte dos casos, o hospedeiro, ou seja, aquele que se encontra parasitado, é levado a morte pelo parasita, onde os principais exemplos comuns e próximos das pessoas é o piolho que é um parasita e se alimenta de sangue do hospedeiro, e a tênia que pode viver no sistema digestório de diversos animais, até mesmo do ser humano.

Classificação dos Parasitas

Os parasitas são classificados em determinadas categorias de parasitismo, em que tudo isso ocorre conforme a maneira como agem e a gravidade do mau que causam para os hospedeiros. Confira abaixo:

  • Parasitas Completos: esses são aqueles parasitas que procuram viver no hospedeiro por uma vida completa.
  • Parasitas Incompletos: eles vivem no seu hospedeiro somente uma fase da sua vida.
  • Endoparasitas: eles são aqueles que vivem na parte interna dos seus hospedeiros, como as tênias.
  • Ectoparasitas: são aqueles parasitas que podem viver na parte externa do hospedeiro, como os piolhos, fungos, carrapatos, entre outros.
  • Hemoparasita: são os parasitas que vivem na parte interna dos seus hospedeiros, mas de uma maneira específica, ou seja, na corrente sanguínea, como o protozoário.
  • Holoparasitas: esses são os parasitas dos vegetais, que procuram parasitar na busca da seiva elaborada.
  • Hemiparasitas: são os parasitas que procuram a seiva bruta dos seus parasitados.
  • Parasito Facultativo: são aqueles que vivem parasitando um hospedeito ou não, em que um exemplo são as moscas que podem ter o seu desenvolvimento em feridas necrosadas como em matérias orgânicas em decomposição.
  • Parasito obrigatório: esse tipo de parasita não tem capacidade de sobreviver fora do seu hospedeiro, onde um exemplo são os vírus.
  • Parasito Acidental: esses são os parasitas que de forma acidental começam a viver em um hospedeiro que não é do seu costume.

Classificação dos Hospedeiros

Da mesma forma como os parasitas, os hospedeiros podem também ser classificados em diversos grupos, como:

  • Hospedeiro Definitivo: esses são aqueles que podem abrigar os parasitas na sua fase de maturidade ou mesmo quando estão realizando uma atividade sexual.
  • Hospedeiro Intermediário: são aqueles que abrigam parasitas durante a fase larvária ou até mesmo assexuada, em que um exemplo disso é o caramujo que é o hospedeiro intermediário do Schistosoma mansoni.
  • Hospedeiro de Transporte: são aqueles que os parasitas não se desenvolvem, porém, aguardam neles até que consigam encontram um novo hospedeiro melhor.

Como os Parasitas podem agir?

Uma das principais finalidades dos parasitas é a sobrevivência com os nutrientes do seu hospedeiro, porém, a forma como vão fazer esse recolhimento dos nutrientes é o que os torna diferentes de diversas espécies de parasitas. Com isso, confira abaixo as principais formas que os parasitas usam para poder recolher os nutrientes.

  • Ação Espoliativa: os parasitas podem absorver os nutrientes e ainda o sangue do seu hospedeiro.
  • Ação Enzimática: essa ação consiste na produção de enzimas que podem furar e dissolver partes do corpo do seu hospedeiro.
  • Ação Irritativa: nesse caso os parasitas causam uma irritação no local em que foi parasitado, o que prejudica o hospedeiro sem que ocorra lesões traumáticas.
  • Ação Mecânica: ocorre quando os parasitas interferem no fluxo da alimentação e ainda na absorção dos alimentos do seu hospedeiro.
  • Ação Tóxica: ocorre quando os parasitas produzem uma substância que é tóxica, como as enzimas ou até mesmo os metabólitos que podem ser tóxicos e ocasionar lesões no hospedeiro.
  • Ação Traumática: causam certas lesões no corpo do hospedeiro, onde de uma forma geral, isso ocorre em parasitismo ocasionados por larvárias, vermes e protozoários.

Principais exemplos de Parasitismo

Sobre um dos principais exemplos em relação ao parasitismo é aquela em que os seres humanos podem ser parasitados pelo verme, como o Ascaris lumbricoides, ou seja, a Ascaríase ou ascaridíase, em que tal parasita pode causar uma doença que na definição popular é chamada de lombriga.

Nesse caso, o parasita apresenta um corpo longo e cilíndrico que pode possuir uma extensão de até quarenta centímetros de comprimento e ocasionar em diversos desconfortos aos seus hospedeiros, além de outros problemas, como diarreias, febre, náuseas, convulsões e outros.

Porém, é possível que ocorra uma prevenção para que não se contraia tal parasita e, para isso, é necessário que se tenha boas medidas quanto a higiene como, por exemplo, lavar as mãos antes de se alimentar, lavar muito bem os alimentos, como frutas, verduras, entre outras.

Além disso, outro exemplo é o dos cães que podem ser parasitados pelo Toxocara canis, em que o parasita é o Toxocara Canis, sendo que esses vermes apresentam cor branca e podem viver no intestino dos cachorros, o que causam em diarreias, vômitos, pelagem mais rala, entre outros sintomas.

De uma forma geral, os parasitas não ocasionam nos seus hospedeiros maiores danos, uma vez que a sua sobrevivência pode também depender da sobrevivência destes. Assim, a relação parasitária pode ser equilibrada ao longo do tempo, podendo se adaptar de um organismo ao outro, conhecido como coadaptação.

Portanto, o parasitismo é uma relação ecológica interespecífica, ocorrendo entre espécies que são diferentes, em que uma espécie, sendo chamada como parasita, se alimenta às custas da outra espécie, chamada de hospedeira e causando prejuízos.


Compartilhe!