Início » Física » Pressão atmosférica: conceitos e características

Pressão atmosférica: conceitos e características

Compartilhe!

A pressão atmosférica que nada mais é do que a pressão exercida pela atmosfera sobre a superfície. Pressão é a força exercida por unidade de área, neste caso a força exercida pelo lar em um determinado ponto da superfície.

Se a força exercida pelo ar cresce em determinado ponto, consequentemente a pressão também aumentará. A pressão atmosférica será a medida por meio de um equipamento conhecido como barômetro.

Essas distinções da pressão têm sua origem térmica diretamente conectadas com a radiação solar e os processos de aquecimento das massas de ar. Entenda melhor sobre as questões ligadas à pressão atmosférica:

Unidades de medidas sobre o assunto

As unidades utilizadas são: polegada ou milímetros de mercúrio, Quilo Pascal, Atmosfera, milibar, sendo as três últimas as mais utilizadas no meio científico.

Outra unidade utilizada para se medir a pressão e a PSI, em português vem a ser libra por polegada quadrada. Embora comum para medir pressão de pneumáticos e de equipamentos industriais a PSI É raramente usada para medir a pressão atmosférica. Embora o ar seja extremamente leve, não é desprovido de peso.

Cada pessoa tem em média uma superfície do corpo aproximadamente igual a 1 m², quando adulto. Sabemos que ao nível do mar a pressão atmosférica É da ordem de 1ATM. Isso significa dizer que, neste local, uma pessoa aguentaria uma força de cerca de 100.000 N relativo a pressão atmosférica.

Entretanto, não sentia nada, nem é esmagada por esta força. Isso acontece devido à presença do ar que está contido no corpo é o equilíbrio entre a pressão que a tua de fora para dentro de dentro para fora do corpo. Qualquer variação na pressão do lado de fora se transmite integralmente a todo corpo, atuando de dentro para fora, de acordo com princípio de Pascal.

Altas pressões

As altas pressões resultam da descida do ar frio. A rotação da Terra faz com que o ar, ao descer, circular em volta do centro de alta pressão. No hemisfério norte o ar se desloca no sentido horário e, no hemisfério sul, no sentido anti-horário. Quanto mais baixa altitude, muito maior a pressão denominada atmosférica.

Baixas pressões

As baixas pressões são causadas pela elevação do ar quente. Esse sim circular no sentido horário no hemisfério sul e no sentido anti-horário no hemisfério norte. A medida em que o ar, ao subir, arrefece, o seu vapor de água se transforma em nuvens, que podem gerar chuva, neve ou tempestade. Quando o ar quente se eleva cria, por baixo dele, uma zona de baixa pressão. Baixas pressões geralmente significam intempérie.

Ao mesmo tempo, existe a superior que se desloca para substituir o ar quente em elevação. Isso dá origem a o que denominamos ventos, mas se a leitura da pressão na superfície for menor que 1013 mbar, isso indica que a zona é de baixa pressão.

As temperaturas, por sua vez, também são fatores decisivos sobre os níveis de intensidade da pressão atmosférica. Fisicamente falando, quando as substâncias estão mais frias, as moléculas juntam se, e quando a substâncias estão mais quentes, as moléculas se afastam.

Isso só ocorre por conta da força da gravidade que mantém a maior parte do ar próxima superfície, o que explica o fato de grandes cadeias de montanhas apresentado um ambiente mais rarefeito.

Sendo assim, podemos afirmar com portal razão a importância do estudo da pressão atmosférica no ramo da física quântica. Esse texto servirá de apoio aos estudos físicos para que possam ser aprimorados em seus conhecimentos onde resultaram novas ideias ou até mesmo novas possibilidades.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário