Início » Vida de estudante » Teste vocacional: como é feito? Vale a pena?

Teste vocacional: como é feito? Vale a pena?

Compartilhe!

Não há quem nunca tenha ouvido falar ou até mesmo feito um teste vocacional. Esses testes são alvo de muita curiosidade por alunos que estão em fins de ensino médio, pois há a ideia equivocada de que eles trarão as repostas necessárias para os dilemas enfrentados. Contudo, desde já devemos salientar que teste vocacional não é um sinônimo para mágica ou coisas do gênero.

Sendo assim, o que é um teste vocacional? Além disso, qual a diferença entre teste e orientação vocacional? Saber essa diferença vai te dar uma visão mais ampla desse assunto, de forma que você possa chegar a conclusões importantes sobre a eficácia desse tipo de teste. Além disso, entender essa diferenciação é algo de suma importância no seu processo de escolha profissional.

O que é?

Um teste vocacional tradicional consiste em um questionário com o objetivo de elucidar as possíveis escolhas profissionais de uma pessoa. É uma ferramenta muito utilizada por alunos que estão prestes a ingressar na vida universitária e ainda não sabem direito qual área seguir. Isso é uma realidade muito grande devido à falta e conhecimento de muitos alunos em relação ao mundo do trabalho e ao ambiente universitário.

Contudo, um simples questionário jamais será suficiente para te dar a escolha exata. Diferente do famigerado teste vocacional, o processo de orientação profissional é mais amplo, e tem por objetivo fazer com o que o aluno tenha mais conhecimento sobre si próprio. Esse conhecimento irá facilitar a escolha, pois evidenciará quais áreas mais se adequam à personalidade da pessoa.

Funciona de verdade?

O processo de orientação vocacional tem sido cada vez mais aprimorado e tem obtido resultados muito positivos ao longo do tempo. Por outro lado, os testes encontrados aos montes na internet hoje em dia recebem cada vez menos crédito. Isso porque o teste vocacional feito sem a supervisão de um especialista torna-se muito impreciso e generalizado.

Contudo, mesmo o processo de orientação vocacional orientado pode ter sim as suas falhas. Não espere que ao final você será magicamente direcionado ao ramo mais certo para você. O processo de auto conhecimento é muito complexo, e o teste vocacional em si é só uma ferramenta que te auxilia a vislumbrar opções. A escolha real é feita somente por você.

Afinal, como vou fazer a minha escolha?

“Mas se o teste vocacional não é 100% eficaz, como posso fazer minha escolha?” Testando. A escolha é só sua, então cabe a você, em primeiro lugar, procurar se conhecer. Após isso, pesquise como funcionam determinados cursos e procure se inteirar de como é o ambiente universitário. Visite uma instituição de ensino superior se puder e converse com estudantes e professores.

Mas lembre-se de que o mundo universitário pode ser totalmente diferente do mundo profissional. Lembre-se de conduzir uma pesquisa nesse âmbito também. Não se guie somente pela remuneração. Veja os prós e contras. Converse com profissionais da área. Veja como eles atuam e reflita sobre como você poderia se inserir nesse universo.

Já fiz a minha escolha, e agora?

Já analisou as possibilidades através do seu teste vocacional? Procurou se conhecer e traçar seus interesses? Realizou uma pesquisa sobre qual profissão te agrada mais? Então agora só falta você investir seu tempo e dedicação nesse área. Lembre-se de que entrar na universidade é só o primeiro passo. Para um curso ser de fato bem feito, o aluno deve se doar inteiramente aos estudos e à vida universitária.

A pergunta que sempre fica é: e se eu errar? Se você não sentir que o curso escolhido está te satisfazendo, troque. Não há mal nisso, e nunca se é velho demais para recomeçar. A vida é uma caixa de possibilidades, e tudo é experiência. Se não deu certo de primeira, não desanime: você ainda tem muito a viver!


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário