Início » Física » Velocidade da luz: características, números e dúvidas

Velocidade da luz: características, números e dúvidas

Compartilhe!

Tema importante no estudo da Física, bem como um elemento sempre presente em filmes de ficção científica, a velocidade da luz é um assunto que merece bastante atenção. Geralmente quando algo é muito rápido dizemos, erroneamente, que este objeto está na velocidade da luz. Contudo, esta velocidade propriamente dita é muito superior à velocidade que qualquer objeto poderia chegar na Terra.

Por isso, temos primeiramente que definir de fato o que é a velocidade da luz. Na sequência, conhecer um pouco da sua história e de como ela foi definida também mostra-se relevante. Por fim, vamos mencionar o que seria o famoso “ano-luz” e se existe a possibilidade de se alcançar a velocidade referida, bem como as possíveis consequências disso.

O que é?

Existem diversas maneiras de definir velocidade, mas uma bem básica é a que diz que velocidade é a relação entre o deslocamento de um corpo com o tempo necessário para se deslocar. Logo, a velocidade da luz constitui a distância que a luz ─ que as vezes é onda, as vezes é partícula ─ percorre em determinado tempo. O que temos de lembrar, no entanto, é que a velocidade da luz pode variar de acordo com o meio.

Em síntese, diz-se que a velocidade da luz no vácuo é de 299.792.458 m/s, que podemos grosseiramente arredondar para 3,0 . 108 m/s. Em outros meios, como no ar, ou no vidro, a velocidade da luz é menor.

Por fim, um último fato interessante que merece ser destacado é que a velocidade é uma grandeza medida em relação a um referencial. Porém, segundo Einstein, a velocidade da luz é a mesma para qualquer sistema de referência inercial que se adote.

A história por trás

Os mistérios por trás da luz sempre causaram interesse dos grandes pensadores da humanidade. O início das indagações sobre a luz remonte à antiguidade, passando por Aristóteles, Galileu e Descartes. Acreditava-se, assim, que a velocidade da luz era infinita. Contudo, observações mais apuradas começaram a desvendar esses mistérios.

Em 1676, um astrônomo chamado Ole Romer conseguiu, por meio de experimentação, fazer uma medição da velocidade da luz. Contudo, os valores mais próximos foram medidos mais tarde, no século XIX, sobretudo através dos trabalhos de Hippolyte Fizeau e Leon Foucault. Por meio de experiências complexas, ambos chegaram a valores muito próximos aos que se tem hoje.

O valor que se tem hoje foi publicado em 1926, pelo cientista Albert Michelson.

O que são “anos-luz”?

Já ouviu que fulano está “anos-luz” a frente do seu tempo? Pois bem, o que significa de fato a medida ano-luz? Primeiramente, deve-se tomar cuidado pois o ano-luz não é uma medida de tempo! Ela é a distância que uma partícula de luz ─ ou fóton ─ percorre durante um ano, o que corresponde a 9,5 trilhões de quilômetros. Mas para que usamos o ano-luz?

Esta medida é usada para calcular distâncias astronômicas, ou seja, distâncias de corpos celestes no espaço. O ano-luz nos mostra como tudo que está no espaço está distante do nosso planeta, e além disso, que ainda estamos muito longe de poder viajar pela galáxia, já que ainda é impossível que se viaje tão rápido quanto a luz.

É possível alcançá-la?

Isso nos leva ao último tópico: podemos alcançar a velocidade da luz? Segundo Einstein e sua teoria da relatividade, a resposta é não. Nenhum corpo na Terra é capaz de alcançar tamanha velocidade, ao contrário do que muito se vê em filmes de ficção científica ou histórias em quadrinho.

Mas e se alcançássemos, o que aconteceria? Tal pergunta é uma incógnita ainda no mundo científico. Porém, caso existisse o aparato para um a nave de fato viajar nessa velocidade, alguns efeitos seriam observados. A massa dessa nave e de tudo nela seria dilatada, o comprimento seria diminuído e o tempo também dilataria.

Em outras palavras, o tempo passaria mais devagar para quem está na nave, e como resultado, quando essa nave voltasse a Terra ela teria viajado para o futuro.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário