Início » Português » Literatura » Vinícius de Moraes: História e Obra

Vinícius de Moraes: História e Obra

Compartilhe!

Vinícius de Moraes foi, sem dúvidas, um dos maiores artistas brasileiros do século XX. Versátil e criativo, atuou de forma intensa na música, na poesia, na prosa, no teatro e também no cinema. Além de artista, também atuou como diplomata, carreira encerrada precocemente no início do período militar.

Saiba mais sobre a vida e a obra deste ícone da arte poética brasileira:

Vida

Marcus Vinícius de Moraes, mais conhecido como Vinícius de Moraes, nasceu em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro. Filho de um violinista e de uma pianista, desde cedo esteve envolvido no mundo das artes. Na época do colégio, já participava de corais, teatros e escrevia seus primeiros textos.

Entre 1929 e 1933, cursou direito na atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), embarcando para Inglaterra em 1938 para estudar inglês na Universidade de Oxford. Na década de 1940 retorna ao Brasil, ingressando no Ministério das Relações Exteriores (MRE) em 1943. Entre os anos 50 e 60, atuou em países como Estados Unidos, França e Itália, sendo afastado oficialmente em 1968 com o AI-5.

Além da carreira diplomática, Vinícius de Moraes dividia-se nas décadas de 1950 e 1960 entre suas peças de teatro, livros e carreira musical. Fez parcerias com diversos músicos, como Tom Jobim, Toquinho, Chico Buarque e Nara Leão, ganhando destaque como compositor de MPB e samba.

Faleceu em 09 de julho de 1980, aos 66 anos, no Rio de Janeiro.

Poesia e Prosa

A carreira de Vinícius de Moraes como poeta iniciou logo após a chegada do movimento modernista ao Brasil e durou até meados da década de 1950, quando o artista passou a se dedicar para carreira musical. O seu primeiro livro de poesia, O Caminho Para a Distância, publicado em 1933, reflete seu interesse inicial por temas relacionados à fé, a alma e conflitos espirituais.

Já o livro Novos Poemas, de 1938, marca a nova fase poética de Vinícius de Moraes, explorando novos temas e novas formas de fazer poesia, sempre com uma intensa subjetividade. O segundo livro dessa série, Novos Poemas II, publicado em 1959, também representa uma nova fase da vida de Moraes, com a chegada de novos temas, como a causa operária.

Na mesma época em que se dedicava à poesia, Vinícius também explorava o mundo da prosa. Ao lado de grandes nomes como Nelson Rodrigues, Rubem Braga, Clarice Lispector e Carlos Drummond de Andrade, Moraes publicava crônicas em diversos jornais do país, sempre com a leveza e diversidade de temas presentes suas poesias.

Como cronista, publicou apenas dois livros: Para Viver um Grande Amor, de 1962, e Para Uma Menina Com Uma Flor, de 1966.

Música

A partir de 1950, a música passa a ocupar a maior parte da vida artística de Vinícius, tornando-se um dos grandes compositores da música popular brasileira do século XX. Entre 1956 e 1980, envolveu-se na produção de 23 discos, participando como intérprete de canções e poemas próprios, mas também de músicas de outros artistas.

Uma das grandes marcas na história musical de Vinícius de Moraes foram as grandes parcerias com outros artistas. Da sua parceria com Tom Jobim, surgiram músicas que marcaram a história do país, como Chega de Saudade, Eu Sei Que Vou Te Amar e Garota de Ipanema. Com Toquinho, lançou músicas como Tarde em Itapõa, Carta ao Tom e Regra de Três.

Teatro e Cinema

Desde jovem, Vinícius de Moraes se envolveu com o teatro, escrevendo peças e participando de projetos de amigos. Apresentou sua primeira e mais famosa peça, Orfeu da Conceição, em 1956, adaptação de um mito negro no contexto carioca. Já no cinema, que também despertou o interesse de Vinícius desde cedo, participou de cineclubes e revistas desde a década de 1930.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário