Início » Filosofia » Aristóteles: vida e contribuição

Aristóteles: vida e contribuição

Compartilhe!

Aristóteles é um dos mais importantes filósofos da Grécia Antiga, e influencia em grande medida o pensamento ocidental atual. Tendo seus estudos iniciados na academia de Platão, ele foi um dos tutores de Alexandre, o Grande, da Macedônia.

O desenvolvimento de seus pensamentos pode ser observado, ainda hoje, em boa parte dos fundamentos da filosofia ocidental. Suas obras são lidas e estudadas, e suas contribuições são globalmente reconhecidas como essenciais.

Entenda mais sobre sua vida e, principalmente, sobre algumas de suas contribuições para a filosofia:

Nascimento e anos iniciais

Aristóteles nasceu em torno de 384 antes da Era Comum na cidade de Estagira, um pequeno local na costa norte da Grécia, antigamente considerado parte da Macedônia. No local, havia um porto marítimo. Aristóteles era filho de um médico da corte macedônica, incluindo o próprio rei Amintas II.

Seu pai morreu quando ele ainda era muito jovem, mas ele teve a oportunidade de manter-se próximo à corte, a despeito da falta de informações sobre quem era sua mãe, com a proteção de um nobre que havia se casado com sua irmã mais velha.

Quando completou 17 anos, seus cunhado o enviou a Atenas para desenvolver-se intelectualmente na escola de Platão, uma das mais destacadas de toda a Grécia. O jovem manteve-se estudando no local por cerca de vinte anos, demonstrando-se um pensador muito capaz, mantendo até mesmo algumas discordâncias com Platão.

Com a morte do diretor da escola, pensa-se que suas divergências foram responsáveis por Aristóteles não ser o indicado para herdar o cargo principal no local. Foi, então, convidado para iniciar uma carreira como professor particular dos filhos da nobreza grega.

Anos como educador

Estima-se que em 338 a.C. Aristóteles voltou à Macedônia, já como professor. Sua tarefa era tornar-se tutor de ninguém menos que o príncipe – que seria, no futuro, Alexandre, o Grande, com 13 anos no período.

Muito bem remunerado por seu bom trabalho, Aristóteles conseguiu autorização para criar sua própria escola em Atenas, quando Alexandre assumiu o trono. Chamou-a de Liceu, competindo com a já tradicional escola de Platão.

Desenvolvendo diversas áreas do conhecimento e o hábito de registrar os pensamentos e descobertas em manuscritos, o Liceu formou uma das grandes bibliotecas gregas. Em Atenas, teve filhos e desenvolveu algumas de suas principais obras.

Em 323 a.C., a morte de Alexandre causou um rompimento significativo no governo, e Aristóteles foi acusado em função de sua associação com a corte macedônia e, em especial, por seus laços íntimos com Alexandre. Para evitar ser executado, exilou-se de Atenas na ilha de Elbeia, em Cálcis, onde morreria um ano depois.

Contribuições de Aristóteles para o pensamento

A vasta produção aristotélica, incluindo sua própria produção e a produção de sua escola, torna-o um dos mais influentes filósofos de seu período. Nas ciências, por exemplo, não foi um matemático – diferentemente de outros pensadores do período – mas possui uma importante contribuição especialmente na biologia.

Foi um dos responsáveis por uma importante classificação dos seres vivos. Embora sua classificação – baseada principalmente no sangue dos animais – não tenha sido exatamente correta, foi utilizada durante séculos como uma forma válida de nomenclatura, permitindo avanços futuros. Também foi um dos primeiros pensadores responsáveis pela definição do ciclo da água, que só seria confirmado muitos séculos depois, já na idade média, onde muitos pensadores foram inspirados por sua publicação.

Já na filosofia aos moldes mais atuais, Aristóteles é um dos principais nomes de toda a história. Seus principais estudos são focados em uma sistemática para o conceito de lógica. Sua contribuição principal está no desenvolvimento de um processo de racionalização que permite que o conhecimento seja desenvolvido de forma consciente.

O método dedutivo, a boa retórica e a ética eram temas centrais de sua obra, até hoje utilizados como base do pensamento filosófico e crítico.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário