Início » Física » Escalas termométricas: funcionamento e conversão

Escalas termométricas: funcionamento e conversão

Compartilhe!

Celsius, Fahrenheit, Kelvin, estas são as três escalas termométricas oficialmente aceitas. Embora todas sirvam tecnicamente para o mesmo objetivo, cada uma delas tem uma métrica fundamental diferente. Por exemplo, a escala Kelvin é usada com maior frequência em pesquisas científicas.

A utilidade central das escalas termométricas é medir temperaturas, isto é, transformar em números a agitação das moléculas de modo que esse valor possa ser trabalhado matematicamente. De maneira simples, busca dizer o quão quente ou frio algo está.

Ao longo dos séculos os diferentes pesquisadores da termodinâmica criaram diversas escalas diferentes, porém com cada nova descoberta elas foram sendo descartadas até que apenas as três atuais sobraram.

O que elas têm em comum é que todas usam como padrão o ponto de ebulição da água. O fato de que as três compartilham uma única medida como base tornou mais fácil a conversão de resultados para pesquisadores em diferentes partes do mundo, agilizando as pesquisas e tornando possível que pessoas de diferentes nacionalidades pudessem trabalhar juntos.

Celsius

Está escala foi criada de modo a medir os graus de forma centígrada, ou seja, com cem divisões entre separando os pontos de fusão e ebulição. Criada no ano de 1742 pelo astrônomo Anders Celsius. Originalmente a escala era chamada de Centígrado e mudou de nome no ano de 1948 para homenagear o seu criador,

A principal referência de Celsius ao criar sua escala os pontos de fusão e ebulição da água determinados com os valores:

Ponto de fusão da água = 100ºC

Ponto de ebulição da água = 0ºC

Posteriormente estes valores foram reorganizados por fabricantes de Termômetros ficando com a atual forma:

Ponto de fusão da água = 0ºC

Ponto de ebulição da água = 100ºC, Celsius é atualmente a escala mais utilizada no mundo.

Fahrenheit

Criada no ano de 1724 por Gabriel Fahrenheit, um engenheiro e físico de renome, Gabriel desenvolveu sua escala após ficar fascinado com a fabricação de Termômetros de mercúrio.

Assim como Celsius ele utilizou os valores de ebulição e fusão da água, porém ele definiu os valores em:

Ponto de fusão da água = 32ºC

Ponto de ebulição da água = 212ºC, já que a diferença entre os dois valores é maior do que cem, esta escala não é centígrada.

Logo após a criação, esta escala se tornou muito popular e foi adotada em todas as colônias do império britânico. Atualmente continua sendo muito usada em países como Inglaterra e Estados Unidos.

Kelvin

A escala Kelvin foi a única dentre as três que surgiu com um objetivo concreto desde sua concepção, seu criador, conhecido como Lord Kelvin, sua proposta inicial era de que deveria haver um ponto em que qualquer material ficaria em total ausência de movimentos em suas partículas. Em sua teoria, ele chamou esse ponto de Zero absoluto.

Da mesma forma que Celsius e Fahrenheit, ele utilizou como referência os seguintes pontos de fusão e ebulição da água:

Ponto de fusão da água = 273 K

Ponto de ebulição da água = 373 K. Atualmente quando a comunidade científica internacional trabalha em conjunto eles utilizam Kelvin como escala padrão.

Como converter?

Uma vez que cada uma das atuais três escalas é utilizada em lugares diferentes do mundo, é importante para quem trabalha com variações de temperatura saber como converter valores entre elas. A fórmula é a seguinte:

Tc = Tf-32 = Tk-273

5        9  5

Tc = graus Celsius

Tf = graus Fahrenheit

Tk = graus Kelvin

Portanto:

Celsius para Kelvin:

Tk = Tc + 273

Kelvin para Celsius:

Tc = Tk-273

Celsius para Fahrenheit ou vice e versa.

Tc = Tf-32

5        9

Kelvin para Fahrenheit ou vice e versa

Tf-32 = Tk-273

9         5


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário