Início » Física » Fusão Nuclear: como ela ocorre?

Fusão Nuclear: como ela ocorre?

Compartilhe!

A fusão nuclear é a união de átomos que possuem núcleos leves. Com a união desses átomos, o resultado é um átomo de núcleo mais pesado. Em uma temperatura bastante elevada, com por exemplo cerca de 10 milhões de graus Celsius, o deutério e o trítio, que são isótopos de hidrogênio se unem. Dessa união ocorre a liberação de uma grande quantidade de energia e são formados então núcleos de hélio.

Todo esse processo de fusão nuclear origina o funcionamento das bombas de hidrogênio, que são consideradas as bombas atômicas mais perigosas e destrutivas do mundo. Dessa fusão também surge a produção de energia solar.

Reator de fusão nuclear

A fusão nuclear libera uma grande quantidade de energia, e por essa razão a comunidade científica tem um compromisso importantíssimo em tonar a energia nuclear como uma possível opção energética a partir do processo de fusão.

Para isso, é essencial ter um reator que seja capaz de produzir e controlar todo processo de fusão nuclear. O nome que se dá aos reatores que estão sendo desenvolvidos em diversos locais no mundo é Tokamak.

Quais são as principais vantagens

A energia resultante da fusão nuclear seria uma forma garantida de segurança e limpeza ambiental, pois a fissão nuclear produz uma energia através do urânio, principal elemento radioativo. Quando a quantidade de combustível utilizado é reduzido, faz com que a radioatividade também seja inferior e com isso a produção de lixo nuclear também é reduzida.

O combustível utilizado na fusão pode ser conquistado através da água do mar e no trilho do próprio reator nuclear. Nessa fissão o urânio é utilizado para isso, mas não é facilmente extraído.

Fusão nuclear e estrelas

Dentro das estrelas acontecem as reações termonucleares, ou seja, acontece todo processo de fusão nuclear, como no sol por exemplo.

As estrelas são formadas de hidrogênio, que possui um núcleo leve. A alta temperatura promove a fusão, formando um núcleo de hélio que é um elemento muito mais pesado. Uma grande quantidade de energia é gerada dentro desse processo considerado bastante forte e violento, que cria a energia solar.

Fusão nuclear à frio

Essa foi uma tese criada por dois químicos: Martin Fleischmann e Stanley Pons, de que todo processo de fusão nucelar poderia acontecer não apenas com altas temperaturas como também em temperaturas ambientes.

Essa foi uma hipótese descartada por toda comunidade cientifica, principalmente porque os químicos não conseguiram comprovar a sua teoria de ter conquistado a fusão nuclear à frio.

A fusão nuclear não ocorre de forma natural na terra. Para colidir dois elementos iguais e originar a fusão é essencial ter uma grande quantidade de energia para vencer a força de repulsão eletroestática entre os elementos.

Portanto, podemos concluir que o nome fusão nuclear é dado ao processo de combinação de dois núcleos atômicos para a formação de um terceiro elemento mais pesado. No momento em que esse novo elemento está sendo formado, ocorre a liberação de energia.

Além disso, todo processo de fusão nuclear pode ser facilmente reproduzido em laboratório, mas não de forma que possa gerar uma quantidade considerável de energia.


Compartilhe!

Comentar

Clique aqui para postar um comentário